Tag: vacations

Roteiro de viagem: Buenos Aires – Argentina

Nessas férias decidimos viajar para Buenos Aires, Argentina.

Como Marianna já conhecia, ficou a cargo dela montar um roteiro (e não decepcionou nem um pouco). Utilizamos milhas do programa Smiles para as passagens e acabamos pagando apenas as taxas.

Partimos do RioGaleão, pelo Terminal 2, com destino ao Aeropuerto Internacional de Ezeiza.

Estacionamento no Aeroporto ou taxi?
A primeira dica é ainda no Rio: Acesse o site do aeroporto e calcule o valor do estacionamento de acordo com o período da viagem.
Dependendo do período, vale mais a pena deixar o carro estacionando lá do que solicitar Uber ou Taxi. Levando em conta, obviamente, a comodidade de poder sair a qualquer momento do aeroporto sem ser roubado ou enrolado por algum taxista.

Dólares, Pesos ou Reais?
Sobre dinheiro, lemos várias dicas de que não valeria a pena comprar Pesos (Moeda vigente na Argentina), no Brasil.
Seria melhor levar Reais e trocar no Banco de la Nación Argentina. No próprio aeroporto, você pode trocar. O banco possuí uma agência dentro do aeroporto. Quando chegamos a cotação estava 1 Peso para R$ 4,60. Não precisa trocar todo o dinheiro que levar consigo, já que em alguns lugares é possível pagar diretamente com Reais (até Dólares).
Os Argentinos tem o hábito de transacionar / guardar outras moedas (principalmente Dólares). Existem, em alguns pontos da cidade, casas de câmbio e até mesmo pessoas, na rua, oferecendo compra / venda de Peso. Faça por sua conta e risco. Nós preferimos comprar no banco nacional e comprar algumas coisas diretamente com Reais.
E várias vezes paguei restaurantes e cafés com cartão de crédito. Mesmo com IOF, ainda achei que valeu a pena.

Como sair do aeroporto?
Marianna já tinha levantado que a melhor forma de sair do aeroporto era utilizando os carros da Taxi Ezeiza, os mais confiáveis. Há um quiosque dentro do aeroporto e você já paga pelo serviço ali mesmo. Para nosso destino, foram 700 Pesos.
Você pode agendar transfer também, mas não sei os valores.

Clima?
Argentina nessa época do ano tem uma temperatura muito agradável (pelo menos para nós :P), girando por volta de 17 graus. Leve uma roupa mais quente… Somente no último dia a previsão era de que o tempo iria “fechar” e chover, porém só pegamos dias ensolarados. Perfeito.

Que hotel escolhemos?
O Hotel escolhido foi o Callao Suites.
Era um apart-hotel bem espaçoso, onde você tinha a sua disposição geladeira, fogão, mesa, talheres, copos, taças, etc.

O Check-in deve ser feito às 14 horas e, diferente dos EUA ou do Brasil, eles não deixaram nos acomodar antes desse período. Chegamos no hotel por volta de 13 horas mas deveríamos aguardar até as 14 horas para entrar no quarto. Um ponto bom é que eles permitem que você deixe suas malas guardadas em segurança, então pudemos dar uma volta e almoçar sem carregar as malas. O mesmo serviço de guarda de malas é oferecido no Check-out (sempre sem nenhum custo).

Gostamos muito das acomodações. O ponto alto era a cama King Size. Uma coisa que me incomodou é que o hotel fornecia café da manhã de uma forma que não estamos acostumados: Vouchers para serem usados em uma cafeteria perto, a Bonafide (tem uma rede de lojas na Argentina).
Mas voltando ao ponto que me incomodou (nada absurdo, convenhamos), foi o fato de ter somente uma opção, no café da manhã: “café con leche con 3 medias lunas”. Para quem não sabe, Media luna é basicamente um croissant, porém a massa é um pouco diferente. Mais detalhes sobre Media luna, aqui.

Tendo em vista que deveríamos aguardar o horário de check-in, aproveitamos para almoçar.

Um dos restaurantes que Marianna tinha colocado na Lista, era o El Club de la milanesa. Esse restaurante possui algumas lojas pela cidade e ela tinha anotado o endereço de uma delas, porém, para nossa sorte havia um bem em frente ao hotel. O restaurante tem boa comida, aceita cartões e o atendimento foi bem legal, porém lento.

Aliás, o atendimento de restaurantes argentinos, no geral, foi lento. Não sei se estou “mal acostumado” com o serviço brasileiro.
Se o atendimento um pouco mais lento acabou sendo um ponto negativo, por outro lado, no geral eles se esforçam para, pelo menos, falar “portunhol” ao perceber que você não é nativo, o que foi bem legal.
Ao final da refeição, tentamos achar algum lugar para comprar um chip pré-pago. Afinal, precisamos fazer check-ins no 4sq, ou stories no Instagram (casal conectado) 😛

E a internet?
Sobre internet, só localizamos uma empresa (Personal) no Aeroporto e tentaram nos “empurrar” a compra de um chip + plano de internet e ligações por $ 400 Pesos. Bom, para quem não sabe, a Argentina está com a moeda muito desvalorizada frente ao Real ( 1 Peso ~ R$ 4,6) e mais ainda comparado ao Dolar (1 Peso ~ U$ 17), por isso, não se assuste com as cifras, mas é bom ficar de olho.

Sobre o Chip, achamos o valor muito caro e acabamos por esperar comprar um Pré-pago em um Kiosco ou banca de Jornal.

Kioscos? O que é isso?
Há praticamente um ou dois kioscos, em cada rua. Kioscos são lojas que vendem chocolates, águas, cigarros, etc. e, geralmente, possuem um totem onde é possível comprar créditos para qualquer operadora (Personal, Claro, Movistar, etc). Porém eles não vendem Chips (??). Compramos um Chip por 40 Pesos em uma banca de Jornal em frente ao Hotel e no Kiosco inserimos alguns Pesos. Na Movistar era possível inserir, por exemplo, 30 Pesos (~ R$ 7) por 300 Mb a serem utilizados em até 3 dias. Ainda sobre internet, a maioria dos restaurantes oferece internet wireless. Basta pedir a senha.

Após o almoço e a saga pelo Chip, voltamos para o Hotel para Check-in e nos prepararmos para o único evento agendado do dia de chegada: O jantar com o show de Tango no Tango Porteño.

<3

Marianna tem um dom muito melhor que o meu de escrever e deu mais detalhes sobre essa parte da viagem, aqui. Passa lá e leia o que ela escreveu! 🙂

Da minha parte, o que posso dizer é que valeu muito a pena. Marianna tinha comprado o evento pela decolar.com e estava incluso:
– Transfer (ida e volta para o hotel);
– jantar com entrada, prato principal e sobremesa; bebida liberada (bebemos vinho a noite inteira!)
– E o show propriamente dito, com quase 2 horas de apresentação.

Antes do jantar, alguns dançarinos e fotógrafos oferecem tirar fotos para posteriormente te cobrar algo em torno de 400 Pesos por foto.
Se você gostar da foto, é uma lembrança legal.
Não estava inclusa a gorjeta. O garçom nos informou, que se achássemos que tínhamos sido bem atendidos, poderíamos pagar.

No dia seguinte, não utilizamos os vouchers de café da manhã, porque estava em nossa lista conhecer o Gran Cafe Tortoni. Basicamente, a Confeitaria Colombo Argentina 😛

Cafe Tortoni

Eles tem um menu extenso e ficou difícil de escolher algo (porque tenho uma mentalidade gorda!). Além do fato de termos ficado na dúvida se comeríamos algo próximo de café da manhã ou almoço, já que mantivemos a tradição de sair tarde do hotel, quando estamos viajando 🙂

Após o Café, fomos dar um giro pela Cidade e conhecer alguns pontos como a Casa Rosada.

Casa Rosada

Uma das vantagens do Hotel em que ficamos, era a localização dele: foi possível caminhar por muitos lugares sem gastar dinheiro com taxi ou Uber. Mas essa dica é válida se você, assim como nós, curte andar pelos lugares.

Mais para o meio da tarde, chegamos a Puerto Madero, um bairro mais nobre e renovado de Buenos Aires, com uma marina e, em cada lado das margens existem vários restaurantes legais.

Puerto Madero

Depois de caminharmos por quase toda a extensão, acabamos optando pelo Bahía Madero. Esse restaurante é um pouco mais caro porém fomos muito bem servidos e muito bem atendidos. E, como diz a Marii, se uma tem uma coisa que Argentino sabe fazer (além de alfajor e vinho), é acertar o ponto da carne! Uma observação sobre carnes, é o corte delas. Você não irá encontrar picanha, etc. Pelo menos não com esse nome ou tipo de corte. Mais detalhes, aqui. Ainda sobre o Bahía Madero, o valor final da conta deu mais de 1000 Pesos, porém convertendo (se eu ganho em Reais, conversão direta vale), está dando algo próximo de R$ 180. O que, para 2 pessoas no Brasil, não é tão absurdo.

No dia seguinte, acordamos (tarde novamente rs), e tomamos o café oferecido pelo Hotel no Bonafide e partimos para caminhar pela cidade.

O roteiro do dia consistiu em:
Cementerio de la Recoleta. Sim, visitamos um cemitério! 🙂
Personalidades Argentinas, como a Eva Perón, ex-primeira-dama da Argentina, estão enterrados lá.

Plaza de las Naciones Unidas. No meio da praça existe a Floralis Genérica. Um lugar muito bonito para dar uma relaxada. Muitas pessoas estavam deitadas pela grama.

Jardín Japonés: Um lugar lindo demais. Reserve algumas horas para passear pelo local.
O preço da entrada são 95 Pesos ( ~ R$ 20).
Possuí restaurante e lojinhas para comer algo.

Ao final desses passeios, decidimos ir ao Las Cabras, um restaurante que nos foi sugerido.
Fomos andando até o lugar e no meio do caminho achamos o Distrito Arcos. Teoricamente um Outlet (na minha opinião, preços altos).
Sobre o restaurante, o menu é variado e os preços BEM mais em conta.
Uma dica: o menu não informa se são pratos para uma ou duas pessoas, porém duas pessoas conseguem comer tranquilamente um! Infelizmente (ou felizmente rs), descobrimos isso somente quando os pratos chegaram. Isso, porque já tínhamos pedido algumas linguicinhas e pão de entrada (e havíamos repetido). 😛
Um ponto negativo desse restaurante foi o de não terem aceitado cartão de crédito, embora a máquina de cartões estivesse em cima do balcão… O que nos deixou meio chateados.
Quando decidimos ir embora, já era noite e pedimos um Uber para voltar para o Hotel. É super tranquilo pedir Uber (ou Cabify) em Buenos Aires. Mas fique de olho na taxa dinâmica, as vezes eles “somem” e a taxa sobe.

No dia seguinte, fomos na Feria de San Pedro Telmo, antes passando pela Plaza del Congreso, porém ela estava fechada para obras.

A feira ocorre todos os domingos e é enorme! Você pode encontrar artesanato, antiguidades, etc e vários expositores aceitam Reais como pagamento (com eles o peso passava para: 1 Peso para R$ 5).
Se você for correr toda a feira, vai gastar um bom tempo. Se quiser descansar um pouco e for adepto do Starbucks, como nós, tem um bem localizado na praça. 🙂

A próxima parada do dia era o Caminito e posteriormente, La Bombonera (A visita ao estádio fico devendo para uma próxima viagem :P).

Caminito

Uma observação: vá de taxi / uber / Cabify para o Caminito e não a pé. Essa dica foi dada até por locais. Apesar da impressão de que Buenos Aires é mais segura do que Rio de Janeiro, isso não se aplica a 100% da cidade, e o Caminito fica na área mais periférica da cidade.
A região do Caminito estava bem cheia, provavelmente por ser final de semana, e estava agradável de caminhar.

Lá você pode encontrar à venda roupas, doces, entre outras coisas. Reserve algum tempo para olhar todas as lojas / boxes.
Se quiser almoçar pelo Caminito, existem vários restaurantes com mesas pela rua “principal”, porém nenhum deles estava aceitando cartões e por isso decidimos voltar à região de La Recoleta (perto do cemitério). Lá, já tínhamos visto vários restaurantes.

Optamos pelo Clark’s e pedimos a famosa parrilla argentina, um prato parecido com o famoso churrasco misto brasileiro, porém com outras carnes.
O restaurante não é muito caro e o prato não decepcionou. Aceitam cartões! 🙂

Ao final, atravessamos a rua e fomos no Recoleta Mall/. A idéia era comprar alfajor na Havana!! <3
Aliás, em Buenos Aires as lojas que você poderá encontrar em quase toda esquina: Starbucks, Havana e Kioscos…

Na volta para o hotel, ainda paramos em um Carrefour para comprar algumas garrafas de vinho. Sim! Precisávamos comprar alguns Malbecs 🙂 e não nos decepcionamos em comprar no mercado, após lermos algumas dicas de bons vinhos por preços em conta. Para se ter noção, 5 garrafas de vinho deram algo em torno de R$ 100. Somente uma delas, olhando por alto na internet, sairia a R$ 50.

A noite terminou no hotel, com uma garrafa de Latitud 33. 🙂

O último dia em Buenos Aires foi mais livre. Como tínhamos que liberar o quarto 10h, acordamos cedo (as malas já estavam praticamente fechadas desde a noite anterior), e nos preparamos para descer.

Como o voo estava agendado para 17h, teríamos ainda um bom pedaço do dia para fazer algo. Eu já havia agendado um carro do Uber para 13h30, logo, deixamos as malas na recepção do hotel e fomos caminhar.

Aproveitamos e paramos para comprar mais algumas coisas em uma Milka Store e em uma Havana <3

Também conhecemos:
Monumento a los Caídos en Malvinas

Torre Monumental

Estación Retiro

Após o passeio retornamos ao Hotel, aguardamos alguns minutos e o carro da Uber chegou e nos levou ao aeroporto. Chegamos no horário desejado, apesar de algumas manifestações pela cidade, que fez com que tivéssemos que desviar nossa rota para o aeroporto. E ainda encontramos o balcão da Gol fechado enquanto uma manifestação ocorria dentro do saguão do aeroporto! Mas nada de preocupante ocorreu. Fizemos nosso Check-In e despacho das malas e fomos para a área de embarque.

O resumo é que a viagem foi sensacional. Andamos bastante, tiramos bastante fotos, comemos bem e guardamos boas lembranças.
Não sei se indicaria uma viagem dessas para pessoas com crianças (pelo menos não daria certo fazer como fizemos, andando bastante a pé…). Não espere, apesar do câmbio estar nos favorecendo, que seja uma viagem barata. Os valores gastos com refeições foram comparáveis a restaurantes médios para cima, do Rio (que não são baratos).

No mais, curta a cidade! Vá a um show de tango, prove os doces, vinhos e carnes argentinos, visite os pontos turísticos! E você irá encontrar, no geral, pessoas satisfeitas e empenhadas em te entender mesmo que você não fale uma palavra de espanhol!

🙂

Read MoreComment

Roteiro de viagem: Gramado – RS

Gramado é um lugar muito bonito e merece pelo menos 5 dias para aproveitar a maioria dos museus e parques (e acredito que não consiga ir a todos com o devido tempo). Vou passar aqui algumas dicas. Algumas peguei com amigos outras fui observando ao longo da viagem. A distância do aeroporto de Porto Alegre…

Read MoreView 1 Comment

Roteiro de viagem: Tiradentes – MG

Viajamos no feriado de Nossa Senhora Aparecida para Tiradentes. A viagem do Rio para lá é um pouco longa, mas acredito que a forma mais acertada de ir é de carro, já que os pontos turísticos são mais afastados uns dos outros e para quem tem pouco tempo para curtir a cidade, de carro você…

Read MoreView 5 Comments