[Texto] Reunião de pais

…Era quarta-feira, 8:00 hs. Cheguei a tempo na escola do meu filho – “Não se esqueçam de vir à reunião de amanhã, é obrigatória” – Foi o que a professora tinha dito no dia anterior.

– “Que é o que essa professora pensa! Acha que podemos dispor facilmente do tempo que ela diz? Se ela soubesse quanto era importante a reunião que eu tinha as 8:30!” Dela dependia uma boa negociação e… tive que cancela-la!

Lá estávamos nós, mães e pais, e a professora.

Começou a tempo, agradeceu nossa presença e começou a falar. Não lembro o que ela dizia, minha mente estava pensando em como iria resolver esse negócio tão importante, já me imaginava comprando aquela televisão nova, com o dinheiro.

“João Rodrigues!” – escutei ao longe – “Não está o pai de João?” – diz a professora.

“Sim, eu estou aqui” – contestei indo para receber o boletim escolar do meu filho.

Voltei pro meu lugar e disse ao abrir o boletim…. – “Para isso foi que eu vim???? Que é isso???” O boletim estava cheio de seis e setes. Guardei rapidamente, para que ninguém pudesse ver como tinha se saído meu filho.

De volta para casa, aumentava ainda mais minha raiva, cada vez que pensava:

“Mas, se eu dou tudo para ele, não tem faltando nada!

Agora ele vai ver!” Cheguei, entrei a casa, fechei a porta de uma batida e gritei: “Vem aqui, João!”

João estava no quintal, correu para abraçar-me. – “Papai!”

– “Nada de papai!” o afastei de mim, tirei o meu cinturão e não lembro quantas vezes bati ao mesmo tempo em que falava o que pensava dele.

– “Agora vai para o teu quarto!”

João foi chorando, sua face estava vermelha e a sua boca tremia.

Minha esposa não falou nada, só mexeu a cabeça num gesto de negação e entrou na cozinha.

Quando fui para cama, já mais tranquilo, minha esposa me entregou o boletim do João, que tinha ficado dentro do meu casaco, e disse:

– “Leia devagar e depois pense numa decisão…”

Bem no começo estava escrito: BOLETIM DO PAPAI.

Pelo tempo que teu pai dedica a conversar contigo antes de dormir: 6

Pelo tempo que teu pai dedica para brincar contigo: 6

Pelo tempo que teu pai dedica para te ajuda com as tarefas: 6

Pelo tempo que teu pai dedica par te levar de passeio com a família: 7

Pelo tempo que teu pai dedica para te ler um livro antes de dormir: 6

Pelo tempo que teu pai dedica para te abraçar e te beijar: 6

Pelo tempo que teu pai dedica para assistir televisão contigo: 7

Pelo tempo que teu pai dedica para escutar tuas dúvidas ou problemas: 6

Pelo tempo que teu pai dedica para te ensinar coisas: 7

Média: 6,22

As crianças tinham qualificado os seus pais. O meu deu para mim 6 e 7 (sinceramente eu tinha merecido 5 ou menos)

Me levantei e corri para o quarto dele, o abracei e chorei.

Queria poder voltar no tempo… mas isso não é possível.

João abriu os olhos, ainda com os olhos inchados pelas lagrimas, sorriu, me abraçou e disse:

– “Eu te amo papai!” Fechou os olhos e dormiu.

Acordemos pais!!! Aprendamos a dar o valor certo aquilo que é mais importante em relação aos nossos filhos, já que disso depende o sucesso ou fracasso na suas vidas.

Já pensou qual seria a ‘nota’ que seu filho daria para você hoje?

Anúncios

Gramado, RS – Roteiro de viagem

Gramado é um lugar muito bonito e merece pelo menos 5 dias para aproveitar a maioria dos museus e parques (e acredito que não consiga ir a todos com o devido tempo). Vou passar aqui algumas dicas.
Algumas peguei com amigos outras fui observando ao longo da viagem.

A distância do aeroporto de Porto Alegre é de aproximadamente 120 km. As estradas entre Gramado e Porto Alegre são boas, porém existem dezenas de radares limitando a velocidade entre 50 km/h (lombadas eletrônicas), 60km/h e 80km/h (com radares móveis ou ocultos).
Reserve umas 2 horas e meia no mínimo para o deslocamento de ida e outras tantas para o retorno.

Alugue um carro.
Definitivamente é a melhor opção para se locomover entre tantos parques. Utilizei a Infinit Auto Locadora, uma locadora local que ofereceu um bom preço por um Logan (Em torno de R$ 90,00 com quilometragem livre), além do preço, fui muito bem atendido tanto na recepção quanto na entrega do veículo. Quando cheguei em Porto Alegre, o carro já estava me esperando no aeroporto e entreguei o carro no mesmo lugar. As regras da locadora eram bem simples: entregar o carro como ele foi me entregue, limpo e com tanque cheio. No caso da higienização, eles te cobram antecipadamente R$ 25,00 e te devolvem se o carro estiver limpo (coisa difícil de ocorrer, porém o valor é justo). Para quem nunca alugou carro, fica a dica de fazer um checklist completo ao pegar o carro, marcando batidas, arranhões e tudo que o carro já tiver de defeito para que não seja cobrado depois. Eu, por exemplo, pedi para marcar até as calotas arranhadas (vai que…)

Existem algumas opções de estrada entre POA e Gramado. Tome cuidado com as opções possíveis no GPS:

Na ida, por exemplo, usei o NDrive que me jogou por fora das estradas com pedágio (OK até aí, mas o problema é que cai em uma estrada de terra…).

Saímos do aeroporto bem cedo e o Voo (da Gol) que pegamos não oferecia nenhum alimento, logo, se estiver com fome, coma algo no aeroporto mesmo. Não vi muitas opções no começo da BR-116.
Na estrada, paramos na Tenda lancheria, um lugar bem simples, porém legal. Pedimos um misto quente… No sul eles não comem misto quente com presunto como no Rio, usam linguiça ou salame.

Optamos pelo Hotel Alpestre. O café da manhã deles é sensacional e as instalações também. Eles possuem piscina externa, térmica, quadra de tênis, recreação infantil, spa… Enfim.
Alpestre

Gramado possui centenas de restaurantes. Impossível conhecer todos em uma viagem só. Vou falar dos restaurantes (e parques/museus) que visitei.

O Restaurante Petit Brasil foi a primeira parada. Aceita cartões. Lugar bonito e agradável; Comida gostosa e preço levemente salgado. Aliás, Gramado não prima pelo preço baixo no quesito alimentação, porém você é sempre muito bem atendido e se sente satisfeito com os pratos.

IMG_6511
Um passeio legal é no Lago Negro que tem pedalinhos no formato de cisne e caravela. Preço (pagamento somente em dinheiro) varia entre R$20 e R$30, dependendo da opção (caravela, cisne, etc). O Lago tem bom espaço para pedalar e algumas lojas no entorno; É um lugar tranquilo.

Largo da Borges é tipo um mini shopping e fica ao lado do Palácio dos Festivais. O ponto alto é a Gelateria veneta. Lá vende gelato… E é muito, muito, muito bom! Vá!

Achamos um rodízio de pizzas (o rodízio só funciona à noite), chamado Vale quanto pesa. Excelente! Atendimento muito simpático, comida boa, clima agradável e um preço justo.

Na estrada entre gramado e canelas fica o Mamma Mia. Prepare-se para comer muito.Vá com fome! Oferecem rodízio de massas, porém antes, uma sopa de capeleti (excelente) fora saladas, galeto, etc. Sai rolando… nem consegui comer a sobremesa, já inclusa. Aceita cartões.

Em frente ao Palácio dos Festivais fica a Rua Coberta, também na Borges de Medeiros. Vale escolher um restaurante lá. Tem várias opções. No último dia, escolhi o Beiruth. Eles servem um entrecot para dois que tem um preço muito bom e a comida também é muito gostosa. Aliás, entrecot seria filé. O lugar aceita cartão. Sugiro ficar na parte de dentro do restaurante.

Como a Borges de Medeiros tem muitas opções, vale deixar o carro por ali e andar pela rua.
Em Gramado, para estacionar, você encontra as Zona Azuis em algumas ruas. Basta observar as placas e as delimitações de vaga. Caso você estacione em uma dessas vagas, procure por perto um parquímetro. Sim, em Gramado não há flanelinhas! Mas existem “monitores”. Eles basicamente verificam o estacionamento e trocam dinheiro em papel por moeda, já que os parquímetros só aceitam moeda. O aparelho irá imprimir um papel com o tempo de estacionamento. Coloque no para-brisa do carro. Você pode ficar parado por até 3 horas (dependendo do quanto inseriu de dinheiro).
Algumas ruas laterais não tem zona azul, então pode-se estacionar sem problemas, desde que respeite as sinalizações.
Dica: Respeite SEMPRE a faixa de pedestres! Sempre! Não vi sinais de trânsito lá (e muitas rotatórias). E as faixas de pedestres são respeitadas. Se um pedestre fizer uma menção de atravessar, pare o carro.
Também não vi blitz porém, se estiver dirigindo, uma opção é o suco de uva ao invés do vinho. É muito mais gostoso do que o vendido aqui no Rio. É natural, puro e sem açúcar! Delicioso. Vou procurar onde vende aqui no Rio desses.

Mini Mundo
Vá ao Mini Mundo! É excelente passeio e um preço justo. Vai gastar umas 2 horas ou mais, dependendo de como você quer visitar e/ou fotografar cada mundo apresentado lá. Só aceita dinheiro

Outro passeio muito bom é a visita ao GramadoZoo: Um zoológico muito bom que te leva para bem perto dos animais. Alguns ficam soltos perto de você. Atenção: somente animais da fauna brasileira, logo, nada de elefantes, camelos, hipopótamos, etc.

Visite também o Parque Gaúcho: Conta a história, criação e costumes Gaúchos. Você pode comprar os ingressos (Zoo mais Parque Gaúcho) na mesma bilheteira, em frente ao zoo, porém pegue o carro para ir ao Parque Gaúcho, já que é uma boa distância de se andar… Eu fiz os 3 passeios (Mini Mundo, Zoo e Parque) no mesmo dia. Tanto o Zoo quanto o Parque Gaúcho aceitam pagamento em cartão.

No mesmo dia, escolhemos o Restaurante Nonno Mio para almoçar.
O restaurante é 10! O galeto e as massas são excelentes e o atendimento também é muito bom. Aceita cartões.

Se quiser um lanche, o Skillo lanches tem preços bem honestos e os lanches são legais, porém o x-burguer é feito de carne de boi e não hambúrguer, como no Rio. Matheus não gostou… O Bauru é enorme e gostoso, mas veio com um molho de tomate em cima… Achei que não ficou muito bom. Aceita cartões.

Mundo a vapor
Visite o Mundo a vapor. Fica na estrada entre Gramado e Canela. O lugar é muito legal. Você vai conhecer ou entender melhor como funciona uma usina termoelétrica, hidroelétrica, etc.
Aliás, na estrada estão vários dos museus e parques que visitamos (Mundo a Vapor, Mundo Encantado, Hollyqood Dream Cars)…

Existem 4 lugares que valem a visita e que se forem interessantes para você, vale comprar os 4 ingressos de uma vez:
Dreamland Museu de cera: Se você já foi no Madame Tussauds, vai achar esse museu fraco. Acho ruim o fato de não deixarem tirar fotos das estátuas (afastadas por fitas). Irão te oferecer fotos no barco com Jack Sparrow, No Salão Oval e com o Homem Aranha. Como os ambientes são legais, você acaba escolhendo algumas e comprando.
Harley Moto Show: Basicamente, muitas Harleys expostas, mas você não pode encostar nelas, infelizmnete.
Hollywood Dream Cars: O melhor dos 4 museus na minha opinião. Muitos carros clássicos como Cadillacs!
Super Carros: Carros esportivos da atualidade. Você pode até dar uma volta em uma Ferrari, por exemplo. Eu não tive “coragem” de dar R$300 para andar alguns minutos e acompanhado por alguém…

Separe um dia ou dois dias para ir para Canela (e adjacências). Canela é bem mais simples que gramado e tem alguns restaurantes com buffet com preços mais baratos porém bem mais simples… Se quiser comprar chocolates, existem dezenas de lojas na estrada entre gramado e Canela. Existem também dezenas de parques em Canela. No meio da cidade fica a Catedral de Pedra. Linda.

Cascata do Caracol
Visite o Parque do Caracol. Você terá visão da queda d’água. Existem um mirante gratuito que tem uma boa visão. Existe também um observatório ecológico (que fica uns 30 metros acima do mirante gratuito), acessado por um elevador, mas esse é pago. Não vale a pena, ainda mais se quiser tirar fotos decentes já que ele é envidraçado.
No parque existem restaurantes, um trenzinho (com uma visita a uma vila dos Imigrantes). Uma escadaria (escadaria da perna bamba) de 927 degraus que te leva para a base da Cachoeira. O equivalente a um prédio de 36 andares. Só vá se tiver disposição e lembrar que terá que subir tudo de novo…

O Alpen park (também em canelas) é bem legal. Eles possuem arvorismo, escalada, tirolesa, montanha russa entre outras coisas. A mais maneira é o trenó. Vá nele! Aceitam cartões.

Florybal
Outro parque muito legal é o Florybal. Fica na estrada que leva ao Parque do Caracol. Estacionamento gratuito. Aceita cartões. Prepare-se para andar (e muito) pelo parque. Tem parte de dinossauros, índios, religioso. Se estiver com crianças é parada obrigatória.

O Parque Mundo encantado (aceita somente dinheiro) é um parque no estilo do Mini Mundo porém bem menor. Eles tem 5 maquetes reproduzindo Gramado (e Canela) em suas criações.
Uma maquete muito linda da história de Jesus também está exposta.

A Aldeia do Papai Noel (aceita somente dinheiro) tem a casa do Papai Noel (e o bom velhinho faz plantão lá para tirar fotos), uma fábrica, mirante voltado para a estrada Gramado-Canela, renas de verdade, um monorail que liga a fábrica até a casa do Papai noel (R$ 10 por pessoa. Não vá a não ser que queria muito…)
Na loja, dentro da aldeia, você pode pegar um pedaço de madeira e escrever nele seus desejos. Depois, pode colocar na árvore dos desejos.

Leve dinheiro porque várias lojas, parques e restaurantes só aceitam dinheiro. Existem alguns bancos como Santander (No Centro de Gramado) e CEF (No Centro de Canela).
O tempo em Janeiro é me pareceu meu instável por que quase todos os dias chovia (pouco) e abria um sol de rachar a cuca. Talvez isso explique por que muitas lojas sempre tinha capas de chuva para vender. Porém, mesmo como sol, bastava ir para uma sombra que estava bem fresco e agradável. É bom levar um agasalho porque do nada pode cair um pouco a temperatura.

Acho que a metade de janeiro para frente é a melhor, já que entre Novembro e o meio de Janeiro ocorre o Natal Luz, onde a cidade fica bem cheia e os preços de estadia são muito mais altos. Na época em que fomos restaurantes e parques estavam bem vazios.

O que é ser pai?

Desde mais jovem quis ser pai.
Sempre me perguntava se eu conseguiria ser um bom pai e confesso que quando soube que seria um, fiquei em choque! Ainda namorava a Sô e estava no iBest quando recebi uma ligação da minha sogra dizendo que “estávamos grávidos”!!
Fiquei em choque, sem saber se ficava muito feliz ou extremamente preocupado. Após o choque veio o receio, a alegria…

Sempre digo que o dia mais feliz da minha vida foi o do nascimento do Matheus. Foi um dia confuso que me perdi pela cidade tentando chegar no hospital. Entre a chegada ao hospital e o nascimento do meu filho passaram pelo menos de 25 minutos e quando eu menos esperava lá estava ele… Passarão 20… 30 anos e tenho certeza que não vou esquecer desse dia e de toda a situação ocorrida.

A vida do seu filho é dividida em fases: A primeira ele é totalmente dependente de você: Acorda de madrugada, chora por motivos como fome, sono, dor… etc.
A segunda fase ele continua sendo muito novo, mas já não é tão dependente, já consegue se comunicar de outras formas e é nessa fase que você começa a moldar como ele será.

Matheus desde o primeiro dia foi amado ao máximo! Sempre fizemos questão de tentar que tudo para ele fosse bem feito: A escola, a alimentação (embora ele não seja chegado a isso…), enfim. E desde pequeno, ele soube que era amado, e por vezes mimado também, e com isso chegamos a fase que ele tem hoje, onde ele já quer decidir as roupas que vai usar, os brinquedos que quer ganhar, quando quer sair ou jogar, etc.

Embora as vezes eu ache que preciso me empenhar mais e mais como pai, por vezes acho que estou indo no caminho certo. É engraçada essa situação porque nem Soraya nem eu tinhamos qualquer experiência com crianças e tentamos (a Soraya tentou mais do que eu) ler sobre o assunto e até agora podemos dizer que tudo tem dado certo.

O que estou tentando mostrar nesse post é um pouco dessa fase que é totalmente nova na minha vida.
A verdade é que a expriência de ser pai é algo fantástico! Você conseguir moldar o caráter de uma pessoa, criando ela com muito amor e tentando ensinar a ela como agir, o que é certo e errado é algo fenomenal!
Eu diria até que o filho é nosso reflexo, onde tentamos alongar nossas vidas através da dele. É claro que por muitas vezes não só as coisas boas aparecem nesse reflexo mas também os vícios. É engraçado como uma criança nessa idade parece uma verdadeira “esponjinha” e aprende tudo o que vê, fora aqueles traços que já vem na genética!
Eu, por exemplo, tenho alguns tiques (ou TOCs) e ele já veio com isso “de fábrica”! Como a mania de mexer na orelha, ou andar sob os dedos dos pés dobrados e por aí vai…

De qualquer forma, como a criança é essa “esponjinha”, deve-se ter cuidado extremo para não criarmos uma pessoa invejosa ou até mesmo raivosa, mostrando a ela qual o sentido de dividir um brinquedo com um colega; Dar atenção a todos; Ser gentil e educada; Respeitar as pessoas mais velhas, etc.

Matheus não é daqueles garotos, do estilo furacão, que todo mundo nota que já chegou (acho que até nisso ele puxou a mim, já que quando criança, sempre fui de tentar me fazer não notar no ambiente, por ser tímido)…

Em breve chegaremos em uma fase mais crítica: a adolescência. Pode parecer exagero falar já nessa fase, quando o Matheus tem apenas 4 anos, mas a verdade é que se 4 anos passaram tão rápido, que dirá mais 6 e chegar a 10… 11…. Comecei a escrever esse post em 2008! Muita coisa mudou desde então, mas ainda acho a próxima fase mais complexa… :)

Eu por exemplo, quando conheci minha esposa, nossa sobrinha tinha a idade atual do Matheus e hoje em dia está na fase adolescente e com hormônios a mil! Então eu acredito que a criança dessa idade é o espelho do que foi moldado com 3… 4 anos de idade. E quer queira quer não, com 10 ou 11 anos a criança vai mostrar como foi sua educação desde pequena. E nessa fase, já se molda bem menos…

O maior desafio de um pai de hoje (e do futuro) é com relação as amizades do seu filho. Meu maior medo, como pai, é ter falhado ao tentar mostrar ao Matheus a diferença entra o certo e o errado e ele deverá entender que as drogas fazem mal; Que sexo sem proteção pode trazer doenças ou uma gravidez imprevista e por ai vai.
Acho que na época dos meus pais a educação de um filho deveria ser mais fácil. Pelo menos na minha casa era, já que a educação era um pouco mais rígida… Antigamente eu achava que a educação da época dos meus pais deveria ser mais fácil… Não acho mais isso, o que eu acho é que educar é a parte mais importante de toda uma vida. E isso ontem, hoje e sempre!

A pior audiência da minha vida…

A minha carreira de Promotor de Justiça foi pautada sempre pelo princípio da importância (inventei agora esse princípio), isto é, priorizava aquilo que realmente era significante diante da quantidade de fatos graves que ocorriam na Comarca em que trabalhava. Até porque eu era o único promotor da cidade e só havia um único juiz. Se nós fôssemos nos preocupar com furto de galinha do vizinho; briga no botequim de bêbado sem lesão grave e noivo que largou a noiva na porta da igreja nós não iríamos dar conta de tudo de mais importante que havia para fazer e como havia (crimes violentos, graves, como estupros, homicídios, roubos, etc).
Era simples. Não há outro meio de você conseguir fazer justiça se você não priorizar aquilo que, efetivamente, interessa à sociedade. Talvez esteja aí um dos males do Judiciário quando se trata de “emperramento da máquina judiciária”. Pois bem. O Procurador Geral de Justiça (Chefe do Ministério Público) da época me ligou e pediu para eu colaborar com uma colega da comarca vizinha que estava enrolada com os processos e audiências dela.
Lá fui eu prestar solidariedade à colega. Cheguei, me identifiquei a ela (não a conhecia) e combinamos que eu ficaria com os processos criminais e ela faria as audiências e os processos cíveis. Foi quando ela pediu para, naquele dia, eu fazer as audiências, aproveitando que já estava ali. Tudo bem. Fui à sala de audiências e me sentei no lugar reservado aos membros do Ministério Público: ao lado direito do juiz.
E eis que veio a primeira audiência do dia: um crime de ato obsceno cuja lei diz:
Ato obsceno
Art. 233 – Praticar ato obsceno em lugar público, ou aberto ou exposto ao público:
Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa.
O detalhe era: qual foi o ato obsceno que o cidadão praticou para estar ali, sentado no banco dos réus? Para que o Estado movimentasse toda a sua estrutura burocrática para fazer valer a lei? Para que todo aquele dinheiro gasto com ar condicionado, luz, papel, salário do juiz, do promotor, do defensor, dos policiais que estão de plantão, dos oficiais de justiça e demais funcionários justificasse aquela audiência? Ele, literalmente, cometeu uma ventosidade intestinal em local público, ou em palavras mais populares, soltou um pum, dentro de uma agência bancária e o guarda de segurança que estava lá para tomar conta do patrimônio da empresa, incomodado, deu voz de prisão em flagrante ao cliente peidão porque entendeu que ele fez aquilo como forma de deboche da figura do segurança, de sua autoridade, ou seja, lá estava eu, assoberbado de trabalho na minha comarca, trabalhando com o princípio inventado agora da importância, tendo que fazer audiência por causa de um peidão e de um guarda que não tinha o que fazer. E mais grave ainda: de uma promotora e um juiz que acharam que isso fosse algo relevante que pudesse autorizar o Poder Judiciário a gastar rios de dinheiro com um processo para que aquele peidão, quando muito mal educado, pudesse ser punido nas “penas da lei”.
Ponderei com o juiz que aquilo não seria um problema do Direito Penal, mas sim, quando muito, de saúde, de educação, de urbanidade, enfim… Ponderei, ponderei, mas bom senso não se compra na esquina, nem na padaria, não é mesmo? Não se aprende na faculdade. Ou você tem, ou não tem. E nem o juiz, nem a promotora tinham ao permitir que um pum se transformasse num litígio a ser resolvido pelo Poder Judiciário.
Imagina se todo pum do mundo se transformasse num processo? O cheiro dos fóruns seria insuportável.
O problema é que a audiência foi feita e eu tive que ficar ali ouvindo tudo aquilo que, óbvio, passou a ser engraçado. Já que ali estava, eu iria me divertir. Aprendi a me divertir com as coisas que não tem mais jeito. Aquela era uma delas. Afinal o que não tem remédio, remediado está.
O réu era um homem simples, humilde, mas do tipo forte, do campo, mas com idade avançada, aproximadamente, uns 70 anos.
Eis a audiência:
Juiz – Consta aqui da denúncia oferecida pelo Ministério Público que o senhor no dia x, do mês e ano tal, a tantas horas, no bairro h, dentro da agência bancária Y, o senhor, com vontade livre e consciente de ultrajar o pudor público, praticou ventosidade intestinal, depois de olhar para o guarda de forma debochada, causando odor insuportável a todas as pessoas daquela agência bancária, fato, que, por si só, impediu que pessoas pudessem ficar na fila, passando o senhor a ser o primeiro da fila.
Esses fatos são verdadeiros?
Réu – Não entendi essa parte da ventosidade…. o que mesmo?
Juiz – Ventosidade intestinal.
Réu – Ah sim, ventosidade intestinal. Então, essa parte é que eu queria que o senhor me explicasse direitinho.
Juiz – Quem tem que me explicar aqui é o senhor que é réu. Não eu. Eu cobro explicações. E então.. São verdadeiros ou não os fatos?
O juiz se sentiu ameaçado em sua autoridade. Como se o réu estivesse desafiando o juiz e mandando ele se explicar. Não percebeu que, em verdade, o réu não estava entendendo nada do que ele estava dizendo.
Réu – O guarda estava lá, eu estava na agência, me lembro que ninguém mais ficou na fila, mas eu não roubei ventosidade de ninguém não senhor. Eu sou um homem honesto e trabalhador, doutor juiz “meretrício”.
Na altura da audiência eu já estava rindo por dentro porque era claro e óbvio que o homem por ser um homem simples ele não sabia o que era ventosidade intestinal e o juiz por pertencer a outra camada da sociedade não entendia algo óbvio: para o povo o que ele chamava de ventosidade intestinal aquele homem simples do povo chama de PEIDO. E mais: o juiz se ofendeu de ser chamado de meretrício. E continuou a audiência.
Juiz – Em primeiro lugar, eu não sou meretrício, mas sim meritíssimo. Em segundo, ninguém está dizendo que o senhor roubou no banco, mas que soltou uma ventosidade intestinal. O senhor está me entendendo?
Réu ¬– Ahh, agora sim. Entendi sim. Pensei que o senhor estivesse me chamando de ladrão. Nunca roubei nada de ninguém. Sou trabalhador.
E puxou do bolso uma carteira de trabalho velha e amassada para fazer prova de trabalho.
Juiz – E então, são verdadeiros ou não esses fatos.
Réu – Quais fatos?
O juiz nervoso como que perdendo a paciência e alterando a voz repetiu.
Juiz – Esses que eu acabei de narrar para o senhor. O senhor não está me ouvindo?
Réu – To ouvindo sim, mas o senhor pode repetir, por favor. Eu não prestei bem atenção.
O juiz, visivelmente irritado, repetiu a leitura da denúncia e insistiu na tal da ventosidade intestinal, mas o réu não alcançava o que ele queria dizer. Resolvi ajudar, embora não devesse, pois não fui eu quem ofereci aquela denúncia estapafúrdia e descabida. Típica de quem não tinha o que fazer.
EU – Excelência, pela ordem. Permite uma observação?
O juiz educado, do tipo que soltou pipa no ventilador de casa e jogou bola de gude no tapete persa do seu apartamento, permitiu, prontamente, minha manifestação.
Juiz – Pois não, doutor promotor. Pode falar. À vontade.
Eu – É só para dizer para o réu que ventosidade intestinal é um peido. Ele não esta entendendo o significado da palavra técnica daquilo que todos nós fazemos: soltar um pum. É disso que a promotora que fez essa denúncia está acusando o senhor.
O juiz ficou constrangido com minhas palavras diretas e objetivas, mas deu aquele riso de canto de boca e reiterou o que eu disse e perguntou, de novo, ao réu se tudo aquilo era verdade e eis que veio a confissão.
Réu – Ahhh, agora sim que eu entendi o que o senhor “meretrício” quer dizer.
O juiz o interrompeu e corrigiu na hora.
Juiz – Meretrício não, meritíssimo.
Pensei comigo: o cara não sabe o que é um peido vai saber o que é um adjetivo (meritíssimo)? Não dá. É muita falta de sensibilidade, mas vamos fazer a audiência. Vamos ver onde isso vai parar. E continuou o juiz.
Juiz – Muito bem. Agora que o doutor Promotor já explicou para o senhor de que o senhor é acusado o que o senhor tem para me dizer sobre esses fatos? São verdadeiros ou não?
Juiz adora esse negócio de verdade real. Ele quer porque quer saber da verdade, sei lá do que.
Réu – Ué, só porque eu soltei um pum o senhor quer me condenar? Vai dizer que o meretrício nunca peidou? Que o Promotor nunca soltou um pum? Que a dona moça aí do seu lado nunca peidou? (ele se referia a secretária do juiz que naquela altura já estava peidando de tanto rir como todos os presentes à audiência).
O juiz, constrangido, pediu a ele que o respeitasse e as pessoas que ali estavam, mas ele insistiu em confessar seu crime.
Réu – Quando eu tentei entrar no banco o segurança pediu para eu abrir minha bolsa quando a porta giratória travou, eu abri. A porta continuou travada e ele pediu para eu levantar a minha blusa, eu levantei. A porta continuou travada. Ele pediu para eu tirar os sapatos eu tirei, mas a porta continuou travada. Aí ele pediu para eu tirar o cinto da calça, eu tirei, mas a porta não abriu. Por último, ele pediu para eu tirar todos os metais que tinha no bolso e a porta continuou não abrindo. O gerente veio e disse que ele podia abrir a porta, mas que ele me revistasse. Eu não sou bandido. Protestei e eles disseram que eu só entraria na agência se fosse revistado e aí eu fingi que deixaria só para poder entrar. Quando ele veio botar a mão em cima de mim me revistando, passando a mão pelo meu corpo, eu fiquei nervoso e, sem querer, soltei um pum na cara dele e ele ficou possesso de raiva e me prendeu. Por isso que estou aqui, mas não fiz de propósito e sim de nervoso. Passei mal com todo aquele constrangimento das pessoas ficarem me olhando como seu eu fosse um bandido e eu não sou. Sou um trabalhador. Peidão sim, mas trabalhador e honesto.
O réu prestou o depoimento constrangido e emocionado e o juiz encerrou o interrogatório. Olhei para o defensor público e percebi que o réu foi muito bem orientado. Tipo: “assume o que fez e joga o peido no ventilador. Conta toda a verdade”. O juiz quis passar a oitiva das testemunhas de acusação e eu alertei que estava satisfeito com a prova produzida até então. Em outras palavras: eu não iria ficar ali sentado ouvindo testemunhas falando sobre um cara peidão e um segurança maluco que não tinha o que fazer junto com um gerente despreparado que gosta de constranger os clientes e um juiz que gosta de ouvir sobre o peido alheio. Eu tinha mais o que fazer. Aliás, eu estava até com vontade de soltar um pum, mas precisava ir ao banheiro porque meu pum as vezes pesa e aí já viu, né?
No fundo eu já estava me solidarizando com o pum do réu, tamanho foi o abuso do segurança e do gerente e pior: por colocarem no banco dos réus um homem simples porque praticou uma ventosidade intestinal.
É o cúmulo da falta do que fazer e da burocracia forense, além da distorção do Direito Penal sendo usado como instrumento de coação moral. Nunca imaginei fazer uma audiência por causa de uma, como disse a denúncia, ventosidade intestinal. Até pum neste País está sendo tratado como crime com tanto bandido, corrupto, ladrão andando pelas ruas o judiciário parou para julgar um pum.
Resultado: pedi a absolvição do réu alegando que o fato não era crime, sob pena de termos que ser todos, processados, criminalmente, neste País, inclusive, o juiz que recebeu a denúncia e a promotora que a fez. O juiz, constrangido, absolveu o réu, mas ainda quis fazer discurso chamando a atenção dele, dizendo que não fazia aquilo em público, ou seja, ele é o único ser humano que está nas ruas e quando quer peidar vai em casa rápido, peida e volta para audiência, por exemplo.
É um cara politicamente correto. É o tipo do peidão covarde, ou seja, o que tem medo de peidar. Só peida no banheiro e se não tem banheiro ele se contorce, engole o peido, cruza as perninhas e continua a fazer o que estava fazendo como se nada tivesse acontecido. Afinal, juiz é juiz.
Moral da história: perdemos 3 horas do dia com um processo por causa de um peido. Se contar isso na Inglaterra, com certeza, a Rainha jamais irá acreditar porque ela também, mesmo sendo Rainha… Você sabe.
Rio de Janeiro, 10 de maio de 2012.

==========
Fonte: via e-mail, segundo o mesmo, o autor foi Paulo Rangel (Desembargador do Tribunal de Justica do Rio de Janeiro).

O Nó do afeto

Era um reunião numa escola. A diretora incentivava os pais a apoiarem as crianças, falando da necessidade da presença deles junto aos filhos. Mesmo sabendo que a maioria dos pais e mães trabalhava fora, ela tinha convicção da necessidade de acharem tempo para seus filhos.

Foi então que um pai, com seu jeito simples, explicou que saía tão cedo de casa, que seu filho ainda dormia e que, quando voltava, o pequeno, cansado, já adormecera. Explicou que não podia deixar de trabalhar tanto assim, pois estava cada vez mais difícil sustentar a família. E contou como isso o deixava angustiado, por praticamente só conviver com o filho nos fins de semana.

O pai, então, falou como tentava redimir-se, indo beijar a criança todas as noites, quando chegava em casa. Contou que a cada beijo, ele dava um pequeno nó no lençol, para que seu filho soubesse que ele estivera ali. Quando acordava, o menino sabia que seu pai o amava e lá estivera. E era o nó o meio de se ligarem um ao outro.
Aquela história emocionou a diretora da escola que, surpresa, verificou ser aquele menino um dos melhores e mais ajustados alunos da classe. E a fez refletir sobre as infinitas maneiras que pais e filhos têm de se comunicarem, de se fazerem presentes nas vidas uns dos outros. O pai encontrou sua forma simples, mas eficiente, de se fazer presente e, o mais importante, de que seu filho acreditasse na sua presença.
Para que a comunicação se instale, é preciso que os filhos ‘ouçam’ o coração dos pais ou responsáveis, pois os sentimentos falam mais alto do que as palavras. É por essa razão que um beijo, um abraço, um carinho, revestidos de puro afeto, curam até dor de cabeça, arranhão, ciúme do irmão, medo do escuro, etc.
Uma criança pode não entender certas palavras, mas sabe registrar e gravar um gesto de amor, mesmo que este seja um simples nó.

E você? Tem dado um nó no lençol do seu filho?

Texto: Eloi Zanetti

Para quem você liga? (A gente não telefona para qualquer um quando o mundo desmorona)

O telefone tocou logo cedo. Era a namorada, chorando. Tivera uma noite de sono ruim, chegara ao trabalho cansada e dera de cara com um problema sério, que parecia insolúvel. Bateu o desespero e ela ligou. Conversamos. Não havia o que fazer além de se acalmar e tentar resolver o caso. Disse isso a ela, juntei umas palavras de carinho e a ligação terminou de forma tranquila, uns minutos depois. Ela só precisava desabafar.

O significado dessa história cotidiana me parece da maior importância: é essencial ter alguém para quem ligar quando estamos aflitos, tristes ou perdidos. É fundamental ter com quem falar quando o mundo a nossa volta desmorona ou parece hostil e desanimador. Mesmo quando estamos felizes diante de uma notícia inesperada, ou de algo por muito tempo aguardado, temos necessidade de falar, contar, dividir. Para quem você liga nessas horas?

Nós damos uma importância enorme – e merecida – ao erotismo e ao romantismo nas nossas relações. Essas coisas são mesmo essenciais. Mas há outro componente na vida dos casais, igualmente fundamental, para o qual a gente nem sempre dá o devido valor. É a função de conforto e aconchego que o outro tem na nossa vida. É a proteção, ainda que subjetiva, que ela ou ele nos oferece. Quem ocupa essa posição detém uma das chaves da nossa existência. A pessoa para quem a gente faz a primeira ligação é uma pessoa essencial.

Faz algum tempo, uma amiga minha foi assaltada na porta da casa dela. A experiência foi assustadora, claro. Ela entrou no prédio apavorada, abriu a porta do apartamento chorando e correu para o telefone. Mas, em vez de ligar para o namorado, ligou para um colega do trabalho. Não foi pensado. Foi um impulso. Ela chamou a pessoa que ela gostaria de abraçar, a pessoa de quem precisava naquele momento. Só depois, quando a conversa com o colega acabou, ela se lembrou de ligar para o namorado. “O que isso significa sobre a minha relação com esses dois homens?”, ela me perguntou, uns dias depois. Eu achei que nem precisava responder. Significa, não?

Os telefonemas que a gente faz na hora do perrengue são reveladores. Eles exibem nossas conexões profundas, até mesmo as lealdades inconfessáveis. Se você acabou uma relação, mas ainda gosta da mulher, vai perceber um minuto depois de bater o carro. É para ela que você vai ter vontade de ligar. Se você conseguiu um tremendo emprego, não vai contar para o bonitão que conheceu no bar na semana passada. Vai ter vontade de ligar para o sujeito que sabe como isso é importante para você. E quando a gente bebe e fica insuportavelmente romântico e sentimental? Numa hora dessas, ninguém liga para pessoas estranhas. Comoção a gente divide com gente de confiança. Somos ridículos apenas com quem nos conhece muito bem.

Claro, nós não ligamos para uma única pessoa na vida. Temos vários interlocutores, para diferentes situações. Às vezes precisamos da franqueza de um amigo, outras vezes do apoio incondicional da mãe ou de um irmão. Quando os filhos crescem é gostoso dividir com eles coisas importantes, assim como ouvi-los em casa de dúvida. Quanto maior for essa agenda essencial, quanto maior o número de pessoas para quem se possa dar um telefonema íntimo, melhor. A minha impressão, porém, é que mesmo a família acolhedora ou amizades sólidas não substituem a cumplicidade de uma parceira emocional. Ter alguém especial para quem ligar faz toda a diferença – sobretudo quando as coisas parecem estar caindo sobre a nossa cabeça.

Na única vez que eu estive na China, anos atrás, houve um terremoto. Acordei com a cama sacudindo e percebi, apavorado, que o quarto inteiro do hotel tremia. Eu estava acima do 20º andar e pude ver o mundo balançando pela moldura da janela. Não recomendo a experiência. A coisa durou alguns terríveis segundos e cessou de repente. Alívio. Minha primeira reação, sentindo que tinha escapado da morte, foi sentar na cama e ligar para a ex-mulher, que estava no Brasil. Ela ouviu por três segundos e me interrompeu com uma ordem: “Larga esse telefone e corre pra rua! Pode ter outro terremoto logo em seguida!” Era uma criatura prática… Eu tinha ligado para dizer o quanto ela era importante, mas nem foi preciso. O ato de telefonar já dizia tudo, mesmo que eu não tivesse aberto a boca.

==========
Fonte: Ivan Martins. Editor-executivo de ÉPOCA

[Piada] Um dia de merda…

Aeroporto Santos Dumont, 15:30 . Senti um pequeno mal estar causado por uma cólica intestinal, mas nada que uma urinada ou uma barrigada não aliviasse Mas, atrasado para chegar ao ônibus que me levaria para o Galeão, de onde partiria o vôo para Miami, resolvi segurar as pontas . Afinal de contas são só uns 15 minutos de busão. ” Chegando lá, tenho tempo de sobra para dar aquela mijadinha esperta, tranqüilo .” O avião só sairia as 16:30.

Entrando no ônibus, sem sanitários . Senti a primeira contração e tomei consciência de que minha gravidez fecal chegara ao nono mês e que faria um parto de cócoras assim que entrasse no banheiro do aeroporto. Virei para o meu amigo que me acompanhava e, sutil, falei: “Cara, mal posso esperar para chegar na merda do aeroporto porque preciso largar um barro”

Nesse momento, senti um urubu beliscando minha cueca, mas botei a força de vontade para trabalhar e segurei a onda . O ônibus nem tinha começado a andar quando, para meu desespero, uma voz disse pelo alto falante:

“Senhoras e senhores, nossa viagem entre os dois aeroportos levará em torno de 1 hora, devido à obras na pista .” Aí o urubu ficou maluco querendo sair a qualquer custo. Fiz um esforço hercúleo para segurar o trem merda que estava para chegar na estação ânus a qualquer momento. Suava em bicas. Meu amigo percebeu e, como bom amigo que era, aproveitou para tirar um sarro. O alívio provisório veio em forma de bolhas estomacais, indicando que pelo menos por enquanto as coisas tinham se acomodado. Tentava me distrair vendo TV mas só conseguia pensar em um banheiro, não com uma privada, mas com um vaso sanitário tão branco e tão limpo que alguém poderia botar seu almoço nele . E o papel higiênico então: branco e macio, com textura e perfume e, ops, senti um volume almofadado entre meu traseiro e o assento do ônibus e percebi, consternado, que havia cagado .

Um cocô sólido e comprido daqueles que dão orgulho de pai ao seu autor. Daqueles que da vontade de ligar pros amigos e parentes e convidá-los a apreciar na privada . Tão perfeita obra, dava pra expor em uma bienal .

Mas sem dúvida, a situação tava tensa . Olhei para o meu amigo, procurando um pouco de solidariedade, e confessei sério : ” Cara, caguei.” Quando meu amigo parou de rir, uns cinco minutos depois, aconselhou – me a relaxar, pois agora estava tudo sob controle . ” Que se dane, me limpo no aeroporto ” – pensei . “Pior que isso não fico .” Mal o ônibus entrou em movimento, a cólica recomeçou forte . Arregalei os olhos, segurei-me na cadeira mas não pude evitar, e sem muita cerimônia ou anunciação, veio a segunda leva de merda . Desta vez, como uma pasta morna.

Foi merda para tudo que e lado, borrando, esquentando e melando a bunda, cueca, barra da camisa, pernas, panturrilha, calças, meias e pés . E mais uma cólica anunciando mais merda, agora líquida, das que queimam o fiofó do freguês ao sair rumo a liberdade . E depois um peido tipo bufa, que eu nem tentei segurar, afinal de contas o que era um peidinho para quem já estava todo cagado . Já o peido seguinte, foi do tipo que pesa . E me caguei pela quarta vez .

Lembrei de um amigo que certa vez estava com tanta caganeira que resolveu botar modess na cueca , mas colocou as linhas adesivas viradas para cima e quando foi tirá-lo levou metade dos pelos do rabo junto . Mas era tarde demais para tal artifício absorvente . Tinha menstruado tanta merda que nem uma bomba de cisterna poderia me ajudar a limpar a sujeirada .

Finalmente cheguei ao aeroporto e saindo apressado com passos curtinhos, supliquei ao meu amigo que apanhasse minha mala no bagageiro do ônibus e a levasse ao sanitário do aeroporto para que eu pudesse trocar de roupas.

Corri ao banheiro e entrando de boxe em boxe, constatei a falta de papel higiênico em todos os cinco . Olhei para cima e blasfemei: “Agora chega, né ?” Entrei no último, sem papel mesmo, e tirei a roupa toda para analisar minha situação (que conclui como sendo o fundo do poço ) e esperar pela minha salvação, com roupas limpinhas e cheirosinhas e com ela uma lufada de dignidade no meu dia .

Meu amigo entrou no banheiro com pressa, tinha feito o ” check-in ” e ia correndo tentar segurar o vôo . Jogou por cima do boxe o cartão de embarque e uma maleta de mão e saiu antes de qualquer protesto de minha parte . Ele tinha despachado a mala com roupas . Na mala de mão só tinha um pulôver de gola “V”. A temperatura em Miami era de aproximadamente 35 graus .

Desesperado comecei a analisar quais de minhas roupas seriam, de algum modo, aproveitáveis . Minha cueca , joguei no lixo . A camisa era história . As calças estavam deploráveis e assim como minhas meias, mudaram de cor tingidas pela merda . Meus sapatos estavam nota 3, numa escala de 1 a 10

Teria que improvisar . A invenção é mãe da necessidade, então transformei uma simples privada em uma magnifica máquina de lavar . Virei a calça do lado avesso, segurei-a pela barra, e mergulhei a parte atingida na água..

Comecei a dar descarga até que o grosso da merda se desprendeu . Estava pronto para embarcar . Saí do banheiro e atravessei o aeroporto em direção ao portão de embarque trajando sapatos sem meias, as calcas do lado avesso e molhadas da cintura ao joelho (não exatamente limpas) e o pulôver gola “V”, sem camisa . Mas caminhava com a dignidade de um lorde.

Embarquei no avião, onde todos os passageiros estavam esperando ” O RAPAZ QUE ESTAVA NO BANHEIRO” e atravessei todo o corredor até o meu assento, ao lado do meu amigo que sorria . A aeromoça aproximou-se e perguntou se precisava de algo . Eu cheguei a pensar em pedir 120 toalhinhas perfumadas para disfarçar o cheiro de fossa transbordante e uma gilete para cortar os pulsos, mas decidi não pedir: ” Nada , obrigado . Eu só queria esquecer este dia de merda !!! “