Conhecendo San Francisco – USA

Sempre quis conhecer os EUA, porém se você gosta de filmes tanto quanto eu, talvez já conheça a América do Norte e ir lá é apenas comprovar que é um lugar incrível.
Óbvio que tem seus problemas, suas neuroses, etc. Porém, o fato é que é uma cultura muito mais avançada do que a Brasileira.
Antes que me xinguem, quero dizer que amo meu país e não penso em trocá-lo por outro (vale lembrar que poderia morar na Europa, já que tenho cidadania Européia também… Mas isso não vem ao caso…). =D

O fato é que quando você sai do país, as mazelas que você odeia no Brasil (como eu…), ficam mais evidentes. Exemplos?
* É difícil ver pessoas lá, jogando lixo pelo chão.
Óbvio que em alguns pontos existe sujeira no chão, mas quem sabe, não são de pessoas oriundas de outros países? =)
* O trânsito é muito organizado. Pedestres aguardam na calçada em frente a faixa de pedestres para atravessar, em 99,99% mesmo quando não há carros, aguardam…
* Por outro lado, carros respeitam sinais (yes!!), faixas, etc. Em alguns pontos, nas áreas mais residenciais, onde não há sinal para pedestre, mesmo assim existe a faixa e (pasmem!) os carros param para você atravessar, assim que você se posiciona em frente a faixa!
* Também é raro ver pedestre atravessando fora da faixa…
Vi uma cena que no Brasil chegaria a ser engraçada e cheguei a comentar no twitter: Um policial de moto, parou um ciclista e por algum motivo o multou… No Brasil, nem motorista de carro é…

Em todos os lugares que fui sempre encontrei muita educação por parte das pessoas, seja no aeroporto, lojas, hotel… Sempre fui bem atendido.
Sempre me falaram que, por exemplo, as equipes de segurança no aeroporto podem ser rudes e neuróticos… Sim, são neuróticos, porém o tratamento foi de total educação e respeito. Uma observação com relação a neurose com segurança em aeroporto: nada mais justo depois do que se passou no fatídico 11/09
Aliás, esse ponto da neurose (com a segurança em aeroportos) é interessante. Já começa no Check-in no aeroporto Brasileiro. As atendentes da American Airlines te fazem perguntas como “quem fez sua mala?”; “que tipo de bagagem está levando?”; “por algum momento ficou longe da bagagem depois que a fez até agora?”… E ainda te orientam a não deixar, em momento algum a bagagem de mão sozinha no caminho entre o check-in e avião…

Para ir para San Francisco, precisei fazer uma conexão e aguardar 5 horas em Miami, e como Miami é um dos pontos de entrada, nesse aeroporto foi onde tive que passar pela imigração e Alfândega Americanas. Lá achei muito engraçado o fato de que 99% dos funcionários falam em espanhol o tempo todo. Isso gerou uma situação no mínimo curiosa, na hora da entrevista da Imigração, porque ouvia as perguntas em espanhol e respondia em inglês (vai que falo algo em português e tem duplo sentido em espalhol e sou preso… Preferi não arriscar =P ).
Como cheguei de madrugada (Miami é 1 hora a menos do fuso de Brasília nessa época do ano e San Francisco são 4 horas a menos do que Brasília), nem sai do aeroporto, então dei uma volta por lá, comprovando que o aeroporto além de grande, estava sendo reformado e melhorado. Uma coisa que não gostei, foi de ter que pegar as malas em Miami e logo depois da alfândega despachar de novo, mas tudo bem (problemas de logística…).

Na hora de entrar no setor de embarque de Miami, foi um momento no mínimo tenso, já que você precisa se desfazer de todos os metais, tirar casaco, sapatos, etc… Acredito que no Brasil várias pessoas veriam essa situação como meio vexatória, mas é algo que lá provavelmente ninguém reclama de fazer (pelo menos não vi… Se não quiser entrar nos EUA, pode voltar dali mesmo… rsrs).
De fato, o momento tenso foi quando foi identificado uma “mini-”espada de São Jorge que estava na minha carteira. Essa mesma espada já tinha sido identificada no Aeroporto do RJ, mas passou sem problemas, após eu mostrar. Ainda cheguei a perguntar para a PF no RJ se isso daria problemas em Miami, mas não iria me desfazer dela do nada. Então, após a identificação em Miami, informei para o “armário de quase 3m de altura” que veio conversar comigo, do que era o objeto e após ele conversar com uns 2 supervisores, viram que eu não conseguiria derrubar um avião com um objeto de 10 cm (por via das dúvidas, na volta ela foi na mala =D).
Uma observação para quem faz escala, pela AA, como fiz: O voo de conexão é um voo doméstico e a não ser que você vá de primeira classe, eles não servem comida de graça…
Ao chegar em San Francisco, pode-se optar por vários tipos de meio de transporte: existe um trem, shuttle (van) e taxi. Optei por pegar shuttle (que custou U$ 17), o taxi por exemplo, custou na volta U$ 45, ou seja, é bem interessante pegar shuttle (se não estiver com malas que incomodem, o trem parece que custa U$ 8).

Essa primeira viagem para San Francisco, teve como idéia central acompanhar a Wordcamp SF 2011, um evento sobre WordPress (um CMS que administro no trabalho). Porém, consegui viajar aguns dias antes e tive a chance de conhecer uma cidade muito bonita.
Não sei se todos fariam como eu, mas eu andei muito por aqui. No primeiro dia, sai do Hotel, que ficava o começo da Powell St., e andei a rua inteira até chegar em Fisherman’s Wharf (você acaba passando por uma parte de Chinatown) e seus Piers, como o 39, onde você tem várias lojas, Aquarium of the Bay, lugares para comer e comprar lembranças da cidade.

O Pier 33 é de onde tem a saída das visitas para Alcatraz. Confesso que quis muito conhecer Alcatraz, mas o passeio como um todo demoraria praticamente 3 horas, eu cheguei tarde (já que fui andando) e as filas enormes (fica para uma próxima…). Continuei caminhando pela Embarcadero até chegar a Market St. voltando a Powell St.
Por que fui andando? Porque adoro tirar fotos e seria chato demais pegar o Cable Car, por exemplo, e ficar tentando tirar fotos. OK, turistas normais com suas point-to-shoot ficam tirando fotos assim, mas convenhamos, preciso olhar com calma o que vou registrar… =)

  San Francisco tem excelentes pontos de visita e como consequência, belos lugares para fotos. Outro ponto que conheci, e um dos mais conhecidos é a Alamo Square. Dessa praça, que fica em um dos pontos altos da cidade, você consegue visualizar as famosas “Painted Ladies”, algumas das poucas casas que sobraram após um grande incêndio que destruiu San Francisco anos atrás.

Sempre partindo da Market St., outro ponto muito bonito é o Civic Center, naquele entorno, ficam a Prefeitura, Biblioteca pública, Suprema corte…

Alguns passeios que eu queria fazer mas não deu tempo (a vida é cheia de escolhas… =D ): além de ir a Alcatraz; passear no Cable Car (alguns poderão me xingar, já que dizem que é O PASSEIO OBRIGATÓRIO, de quem vai a San Francisco, mas na boa? Ficar umas 2 horas esperando para andar 15 minutos nele seria demais para poucos dias na cidade); atravessar a Golden Gate até Salsalito de bike. Aliás, não ter ido nem a Alcatraz ou ter fotografado a Golden Gate foram os pontos chatos =P

Dica para quem vem querendo “ajudar a reerguer a economia americana” e gastar “a lot” nas excelentes lojas dos EUA: o ideal é ficar bem próximo do centro comercial (entre a Powell e Market St. está bom). Eu fiquei no The Powell Hotel (Esse na verdade fica na Cyril Magnin St., mas tem uma saída por trás que é “na cara do ponto final do Cable Car”, então você já sai do hotel e pode ver a fileira enorme de pessoas esperando para pegar o Cable.). O Hotel também fica muito perto do Westfield Shopping, NikeTown, Macy’s, Apple Store, GAP, entre outras várias lojas muito conhecidas. Isso facilita muito para quem quer apenas comprar (e muito) =)
Existem opções mais baratas no quesito roupas: Alugar um carro e ir até Petalume Village Outlet. Dizem que é bem mais em conta.
Alías, quando se vem aos EUA você tem a exata noção de que só compra as coisas nos EUA quem é pobre, rico compra no Brasil mesmo, já que, sinceramente? A diferença de preços é absurda! Exemplo? Um iPod Shuffle, custa no Brasil R$ 200,00. Nos EUA? U$ 52 (já com imposto e convertendo pelo dólar atual, uns R$ 82). Alías, todas as lojas, na hora em que você vai pagar o produto ou comida, informam o preço incluindo 8,5% de taxa (Em outros estados eles podem cobrar esse valor, outro ou nenhum). Um tablet como o Galaxy 10.1? Acabou de ser anunciado no Brasil por R$ 2.000,00, custa U$ 499,99… Precisa continuar?

Aliás sobre compras, achei engraçado na hora em que fui fazer o check-in no aeroporto de San Francisco, o atendente da American Airlines perguntar se eu tinha certeza de que era brasileiro, se estava realmente indo para o brasil, já que eu só estava com 32 Kg (o permitido são 60 kg) e que brasileiros adoravam equipamentos eletrônicos. Tentei explicar a ele de que no Brasil esses equipamentos custavam quase 4 vezes (ou mais…). Ele riu, óbvio…

Uma imagem que vai ficar dos americanos: sempre ver eles andando pelas ruas com fones brancos (de iPhone, iPad, iPod…) e um copo grande de café (provavelmente Starbucks) e consultando um smartphone. Eu não sei se esse negócio de ficar andando sempre de fones é só para ouvir música, ou se é apenas uma forma de evitar problemas pelas ruas… Sempre ouvia falar que nos EUA se processa por qualquer coisa… Então imagino que andando de fones nas ruas, evite alguém falar que você estava mexendo com alguém… Sei lá… =)

Da parte de San Francisco que andei, a da Market St. estava o tempo todo cheia de gente, quando você começa a se afastar dessa área, as ruas vão ficando vazias demais. Chega a ser estranho, mas não vi nada demais. Mesmo tendo alguns pontos com pedintes e moradores de rua (geralmente quando eles estão na região da Market St. imediatamente um policial solicita que saiam ou algo parecido…).
Aliás, cheguei a ver um dia quando estava saindo da Apple Store dois policiais correndo e entraram na loja para pegar alguém… Não sei por que… =D

Sobre o clima? Bom, apesar de estarmos no verão o clima é muito agradável e chega a fazer frio, mesmo durante o dia é sempre bom ter um casaco ou jaqueta e não é difícil de que você o use (e olha que eu sempre sinto calor!). Isso porque durante o dia, mesmo com sol, corre um vento frio. Mas é muito agradável andar pela cidade sem se preocupar com o calor. Aliás, mesmo com vento frio e tal, durante os dias que andei pela cidade, não usei boné, o que resultou em antes mesmo de sair de San Francisco estar descascando… Parece até que fui para a praia aqui… =P

Caso pense em usar o sistema de transporte daqui, existem algumas cabines onde você pode comprar o ticket. Existem várias opções como 1 dia inteiro, 3 ou até 7. Isso lhe dá o direito de, além de andar no cable car, nos ônibus e trens. Pode ler mais sobre isso aqui

Bom, deixei San Francisco com algumas certezas:
* É um lindo lugar
* É fato que vou querer voltar lá.

Anúncios

O analista e o gerente

Um homem anda por uma estrada próxima a uma cidade, quando percebe, a pouca distância, um balão voando baixo. O balonista lhe acena desesperadamente, consegue fazer o balão baixar o máximo possível e lhe grita:
– Ei você, poderia ajudar-me? Prometi a um amigo que me encontraria com ele às duas da tarde, porém já são duas e meia e nem sei onde estou. Poderia me dizer onde me encontro?
O outro homem, com muita cortesia, respondeu:
– Mas claro que posso ajudá-lo! Você se encontra em um balão de ar quente, flutuando a uns vinte metros acima da estrada. Está a quarenta graus de latitude norte e a cinqüenta e oito graus de longitude oeste.
O balonista escuta com atenção e depois pergunta-lhe com um sorriso:
– Amigo, você trabalha como analista de sistemas?
– Sim, senhor, ao seu dispor! Como conseguiu adivinhar?
– Porque tudo o que você me disse está perfeito e tecnicamente correto, porém esta informação me é totalmente inútil, pois continuo perdido. Será que você não tem uma resposta mais satisfatória?
O analista fica calado por alguns segundos e finalmente pergunta ao balonista:
– E você, não seria por acaso um Gerente?
– Sim, por um acaso sou um gerente. Por que?
– Ah, foi muito fácil! Veja só: Você não sabe onde está e nem para onde vai. Fez uma promessa da qual não tem a mínima idéia de como irá cumprir e ainda por cima espera que outra pessoa resolva o seu problema.
Continua exatamente tão perdido quanto antes de me perguntar. Porém, agora por um estranho motivo, a culpa passou a ser minha…

=========
Dica: http://www.facebook.com/jgslemos

Pedido de uma criança a seus pais

Não tenham medo de serem firmes comigo. Prefiro assim. Isto faz com que eu me sinta mais segura.

Não me estraguem. Sei que não devo ter tudo o que peço. Só estou experimentando vocês.

Não deixem que eu adquira maus hábitos. Dependo de vocês para saber o que é certo, o que é errado.

Não me corrijam com raiva, nem na presença de estranhos. Aprenderei muito mais se me falarem com calma e em particular.

Não me protejam das conseqüências de meus erros. Às vezes eu preciso aprender pelo caminho áspero.

Não levem muito à sério as minhas pequenas dores. Necessito delas para poder amadurecer.

Não sejam irritantes ao me corrigirem. Se assim o fizerem, eu poderei fazer o contrário do que me pedem.

Não me façam promessas que não poderão cumprir depois. Lembrem-se que isto me deixa profundamente desapontada.

Não ponham à prova a minha honestidade. Sou facilmente levada a dizer mentiras.

Não me apresentem um Deus carrancudo e vingativo. Isto me afastaria d’Ele.

Não desconversem quando faço perguntas, senão serei levado a procurar as respostas na rua todas as vezes que não as tiver em casa.

Não se mostrem para mim como pessoas infalíveis. Ficarei extremamente chocada quando descobrir um erro de vocês.

Não digam simplesmente que meus receios e medos são bobos. Ajudem-me a compreendê-los e vencê-los.

Não digam que não conseguem me controlar. Eu me julgarei mais forte que vocês.

Não me tratem como uma pessoa sem personalidade. Lembrem-se que eu tenho o meu próprio modo de ser.

Não vivam me apontando os defeitos das pessoas que me cercam. Isto irá criar em mim, mais cedo ou mais tarde, o espírito de intolerância.

Não se esqueçam de que eu gosto de experimentar as coisas por mim mesma. Não queiram ensinar tudo pra mim.

Não tenham vergonha de dizer que me amam. Eu necessito desse carinho e amor para poder transmiti-lo à vocês e aos outros.

Não desistam nunca de me ensinarem o bem, mesmo quando eu parecer não estar aprendendo.
Insistam através do exemplo e, no futuro, vocês verão em mim, o fruto daquilo que plantaram.

==========
Fonte: Desconhecida

A hora certa de beber água

Você vai ao bar e bebe uma cerveja.

Bebe a segunda cerveja. A terceira e assim por diante.

O teu estômago manda uma mensagem pro teu cérebro dizendo “Caracas véio… o cara tá bebendo muito liquido, tô cheião!!!”

Teu estômago e teu cérebro não distinguem que tipo de liquido está sendo ingerido, ele sabe apenas q “é líquido”.

Quando o cérebro recebe essa mensagem ele diz: “Caracas, o cara tá maluco!!!”

E manda a seguinte mensagem para os Rins “Meu, filtra o máximo de sangue que tu puderes, o cara aí tá maluco e tá bebendo muito líquido, vamo botar isso tudo pra fora” e o RIM começa a fazer até hora-extra e filtra muito sangue e enche rápido.

Daí vem a primeira corrida ao banheiro. Se você notar, esse 1º xixi é com a cor normal, meio amarelado, porque além de água, vem as impurezas do sangue.

O RIM aliviou a vida do estômago, mas você continua bebendo e o estomago manda outra mensagem pro CÉREBRO “Cara, ele não pára, socorro!!!” e o CÉREBRO manda outra mensagem pro RIM “Véio, estica a baladeira, manda ver aí na filtragem!!!”

O RIM filtra feito um louco, só q agora, o q ele expulsa não é o álcool, ele manda pra bexiga apenas ÁGUA (o líquido precioso do corpo). Por isso que as mijadas seguintes são transparentes, porque é água. E quanto mais você continua bebendo, mas o organismo joga água pra fora e o teor de álcool no organismo aumenta e você fica mais “bunitim”.

Chega uma hora q você tá com o teor alcoólico tão alto q teu CÉREBRO desliga você. Essa é a hora q você desmaia… dorme… capota…

Ele faz isso porque pensa “Meu, o cara tá a fim de se matar, tá bebendo veneno pro corpo, vou apagar esse doido pra ver se assim ele pára de beber e a gente tenta expulsar esse álcool do corpo dele”

Enquanto você está lá, apagado (sem dono), o CÉREBRO dá a seguinte ordem pro sangue “Bicho, apaguei o cara, agora a gente tem q tirar esse veneno do corpo dele. O plano é o seguinte, como a gente está com o nível de água muito baixo, passa em todos os órgãos e tira a água deles e assim a gente consegue jogar esse veneno fora”.

O SANGUE é como se fosse o Boy do corpo. E como um bom Boy, ele obedece as ordens direitinho e por isso começa a retirar água de todos os órgãos. Como o CÉREBRO é constituído de 75% de água, ele é o q mais sofre com essa “ordem” e daí vêm as terríveis dores de cabeça da ressaca.

Então, sei q na hora a gente nem pensa nisso, mas quando forem beber, bebam de meia em meia hora um copo d’água, porque na medida q você mija, já repõe a água.

Sabia que…

… tomar água na hora correta maximiza os cuidados no corpo humano?

2 copos de água depois de acordar ajuda a ativar os órgãos internos.

1 copo de água 30 minutos antes de comer ajuda na digestão.

1 copo de água antes de tomar banho ajuda a baixar a pressão sanguínea.

1 copo de água antes de ir dormir evita ataques do coração.

==========
Fonte: Texto retirado de “O bar do Zé”.

Os 10 mandamentos do Casal

Uma equipe de psicólogos e especialistas americanos, que trabalhava em terapia conjugal, elaborou “Os Dez Mandamentos do Casal”. Gostaria de analisá-los aqui, já que trazem muita sabedoria para a vida e felicidade dos casais. É mais fácil aprender com o erro dos outros do que com os próprios.

1. Nunca irritar-se ao mesmo tempo
A todo custo evitar a explosão. Quanto mais a situação é complicada, mais a calma é necessária. Então, será preciso que um dos dois acione o mecanismo que assegure a calma de ambos diante da situação conflitante. É preciso convencermo-nos de que na explosão nada será feito de bom. Todos sabemos bem quais são os frutos de uma explosão: apenas destroços, morte e tristeza. Portanto, jamais permitir que a explosão chegue a acontecer. D. Helder Câmara tem um belo pensamento que diz: “Há criaturas que são como a cana, mesmo postas na moenda, esmagadas de todo, reduzidas a bagaço, só sabem dar doçura…”.

2. Nunca gritar um com o outro
A não ser que a casa esteja pegando fogo. Quem tem bons argumentos não precisa gritar. Quanto mais alguém grita, menos é ouvido. Alguém me disse certa vez que se gritar resolvesse alguma coisa, porco nenhum morreria… Gritar é próprio daquele que é fraco moralmente, e precisa impor pelos gritos aquilo que não consegue pelos argumentos e pela razão.

3. Se alguém deve ganhar na discussão, deixar que seja o outro
Perder uma discussão pode ser um ato de inteligência e de amor. Dialogar jamais será discutir, pela simples razão de que a discussão pressupõe um vencedor e um derrotado, e no diálogo não. Portanto, se por descuido nosso, o diálogo se transformar em discussão, permita que o outro “vença”, para que mais rapidamente ela termine. Discussão no casamento é sinônimo de “guerra”, de luta inglória. “A vitória na guerra deveria ser comemorada com um funeral”; dizia Lao Tsé. Que vantagem há em se ganhar uma disputa contra aquele que é a nossa própria carne? É preciso que o casal tenha a determinação de não provocar brigas; não podemos nos esquecer que basta uma pequena nuvem para esconder o sol. Às vezes uma pequena discussão esconde por muitos dias o sol da alegria no lar.

4. Se for inevitável chamar a atenção, fazê-lo com amor
A outra parte tem que entender que a crítica tem o objetivo de somar e não de dividir. Só tem sentido a crítica que for construtiva; e essa é amorosa, sem acusações e condenações. Antes de apontarmos um defeito, é sempre aconselhável apresentar duas qualidades do outro. Isso funciona como um anestésico para que se possa fazer o curativo sem dor. E reze pelo outro antes de abordá-lo em um problema difícil. Peça ao Senhor e a Nossa Senhora que preparem o coração dele para receber bem o que você precisa dizer-lhe. Deus é o primeiro interessado na harmonia do casal.

5. Nunca jogar no rosto do outro os erros do passado
A pessoa é sempre maior que seus erros, e ninguém gosta de ser caracterizado por seus defeitos. Toda vez que acusamos a pessoa por seus erros passados, estamos trazendo-os de volta e dificultando que ela se livre deles. Certamente não é isto que queremos para a pessoa amada. É preciso todo o cuidado para que isto não ocorra nos momentos de discussão. Nestas horas o melhor é manter a boca fechada. Aquele que estiver mais calmo, que for mais controlado, deve ficar quieto e deixar o outro falar até que se acalme. Não revidar em palavras, senão a discussão aumenta, e tudo de mau pode acontecer, em termos de ressentimentos, mágoas e dolorosas feridas. Nos tempos horríveis da “guerra fria”, quando pairava sobre o mundo todo o perigo de uma guerra nuclear, como uma espada de Dâmocles sobre as nossas cabeças, o Papa Paulo VI avisou o mundo: “a paz impõe-se somente com a paz, pela clemência, pela misericórdia, pela caridade”. Ora, se isto é válido para o mundo encontrar a paz, muito mais é válido para todos os casais viverem bem. Portanto, como ensina Thomás de Kemphis, na Imitação de Cristo, “primeiro conserva-te em paz, depois poderás pacificar os outros”. E Paulo VI, ardoroso defensor da paz, dizia: “se a guerra é o outro nome da morte, a vida é o outro nome da paz”. Portanto, para haver vida no casamento, é preciso haver a paz; e ela tem um preço: a nossa maturidade.

6. A displicência com qualquer pessoa é tolerável, menos com o cônjuge
Na vida a dois tudo pode e deve ser importante, pois a felicidade nasce das pequenas coisas. A falta de atenção para com o cônjuge é triste na vida do casal e demonstra desprezo para com o outro. Seja atento ao que ele diz, aos seus problemas e aspirações.

7. Nunca ir dormir sem ter chegado a um acordo
“Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento” (Ef 4,26b). Se isso não acontecer, no dia seguinte o problema poderá ser bem maior. Não se pode deixar acumular problema sobre problema, sem solução. Já pensou se você usasse a mesma leiteira que já usou no dia anterior, para ferver o leite, sem antes lavá-la? O leite certamente azedaria. O mesmo acontece quando acordamos sem resolver os conflitos de ontem. Os problemas da vida conjugal são normais e exigem de nós atenção e coragem para enfrentá-los, até que sejam solucionados, com o nosso trabalho e com a graça de Deus. A atitude da avestruz, da fuga, é a pior que existe. Com paz e perseverança busquemos a solução.

8. Pelo menos uma vez ao dia, dizer ao outro uma palavra carinhosa
Muitos têm reservas enormes de ternura, mas esquecem de expressá-las em voz alta. Não basta amar o outro, é preciso dizer isto também com palavras. Especialmente para as mulheres, isto tem um efeito quase mágico. É um tônico que muda completamente o seu estado de ânimo, humor e bem estar. Muitos homens têm dificuldade neste ponto; alguns por problemas de educação, mas a maioria porque ainda não se deu conta da sua importância. Como são importantes essas expressões de carinho que fazem o outro crescer: “eu te amo”, “você é muito importante para mim”, “sem você eu não teria conseguido vencer este problema”, “a tua presença é importante para mim”; “tuas palavras me ajudam a viver”… Diga isto ao outro com sinceridade toda vez que experimentar o auxílio edificante dele.

9. Cometendo um erro, saber admiti-lo e pedir desculpas
Admitir um erro não é humilhação. A pessoa que admite o seu erro demonstra ser honesta consigo mesma e com o outro. Quando erramos não temos duas alternativas honestas, apenas uma: reconhecer o erro, pedir perdão e procurar remediar o que fizemos de errado, com o propósito de não repeti-lo. Isto é ser humilde. Agindo assim, mesmo os nossos erros e quedas serão alavancas para o nosso amadurecimento e crescimento. Quando temos a coragem de pedir perdão, vencendo o nosso orgulho, eliminamos quase de vez o motivo do conflito no relacionamento, e a paz retorna aos corações. É nobre pedir perdão!

10. Quando um não quer, dois não brigam
É a sabedoria popular que ensina isto. Será preciso então que alguém tome a iniciativa de quebrar o ciclo pernicioso que leva à briga. Tomar esta iniciativa será sempre um gesto de grandeza, maturidade e amor. E a melhor maneira será “não pôr lenha na fogueira”, isto é, não alimentar a discussão. Muitas vezes é pelo silêncio de um que a calma retorna ao coração do outro. Outras vezes será por um abraço carinhoso, ou por uma palavra amiga.

Boa Sorte, Sr. Gorski!

No Dia 20 De Julho De 1969, Neil Armstrong, Comandante Do Módulo Lunar Apolo 11, Se Converteu No Primeiro Ser Humano Que Pisou Na Lua.
Suas Primeiras Palavras Ao Pisar No Nosso Satélite Foram: “Este É Um Pequeno Passo Para O Ser Humano, Mas Um Salto Gigantesco Para a Humanidade”.
Estas Palavras Foram Transmitidas Para a Terra E Ouvidas Por Milhares De Pessoas. Justamente Antes De Voltar À Nave, Armstrong Fez Um Comentário enigmático: “Boa Sorte, Sr.Gorsky.”

Muita Gente Na Nasa Pensou Que Foi Um Comentário Sobre Algum Astronauta Soviético. No Entanto, Depois De Checado, Verificaram Que Não Havia Nenhum Gorsky No Programa Espacial Russo Ou Americano.
Através Dos Anos, Muita Gente Perguntou-Lhe Sobre O Significado Daquela Frase Sobre Gorsky, E Ele Sempre Respondia Com Um Sorriso.

Em 5 De Julho De 1995, Armstrong Se Encontrava Na Baia De Tampa, Respondendo Perguntas Depois De Uma Conferência, Quando Um Reporter Lembrou-Lhe Sobre a Frase Que Ele Havia Pronunciado 26 Anos Atrás.
Desta Vez, Finalmente Armstrong Aceitou Responder.
O Sr.Gorsky Havia Morrido E Agora Armstrong Sentia Que Podia Esclarecer a Dúvida.
É O Seguinte:
Em 1938, Sendo Ainda Criança Em Uma Pequena Cidade Do Meio Oeste Americano, Neil Estava Jogando Baseball Com Um Amigo No Pátio Da Sua Casa. a Bola Voou Longe E Foi Parar No Jardim Ao Lado, Perto De Uma Janela Da Casa Vizinha. Seus Vizinhos Eram a Senhora E O Senhor Gorsky.
Quando Neil Agachou-Se Para Pegar a Bola, Escutou Que a Senhora Gorsky Gritava Para O Senhor Gorsky: ‘
“O Quê? Sexo Anal? Você Quer Sexo Anal? Sabe Quando Você Vai Comer a Minha Bunda? Só No Dia Que O Homem Caminhar Na Lua!”.
Por Isto, O Astronauta Armstrong Mandou O Recado Direto Da Lua: “Boa Sorte, Sr. Gorski!”

==========
Fonte: Não confirmada